10 sintomas do Esgotamento Emocional – e o que fazer a respeito

A Nova Velha Medicina
25 de fevereiro de 2018

 

Há algum tempo tenho vontade de escrever sobre esse tema, chamado no meio médico de “síndrome do burnout”.
O esgotamento emocional é uma visita que chega de mansinho e vai tomando lugar na nossa vida, no nosso corpo e nas nossas emoções, esgotando nossas energias e predispondo a situações mais sérias como ansiedade e depressão.

As principais causas…

O esgotamento pode acontecer por diversos motivos, entre eles:

  • Não saber dizer não (e acabar com uma carga de tarefas e compromissos maiores do que conseguimos assumir)
  • Não saber a direção (quando não sabemos onde queremos chegar, ‘qualquer caminho é caminho’… vamos fazendo coisas pelos outros… e ao seguir fazendo coisas que não estão alinhadas com o nosso propósito de vida, podemos nos sentir desmotivados, explorados e sobrecarregados)
  • Não conhecer quem somos ou tentar ser algo que não somos. Sempre que nos esforçamos para tentar agradar ao outro ou olhamos demais para os nossos “defeitos” (esquecendo de celebrar nossas qualidades), entramos num “LOOP” (circuito fechado), numa busca infinita por algo que nunca virá.

 

Os 10 sintomas…

E podem começar a aparecer “sintomas” de forma bem lenta e gradativa, tanto que muitas vezes nem percebemos. Porém um dia, a coisa pode ficar grave.
Por isso, fique atento se estiver acontecendo com você uma ou mais das seguintes situações:

  1. O café é o seu melhor amigo, pois mesmo tendo dormido a noite toda já acorda cansado.
  2. Sua velocidade vai caindo – no trabalho, nas tarefas domésticas, nos estudos… Não tem energia para resolver problemas ou propor novidades e vai seguindo o fluxo, concordando com tudo e com todos.
  3. Acumula post it, agenda eletrônica, caderno… Pois já não pode contar mais com a sua memória.
  4. Troca os seus amigos pelo netflix com frequência, pois sair e interagir já não parecem tão interessantes… afinal, ficar de pijama é tão legal… e preciso recuperar o sono da semana…
  5. O seu intestino não funciona como antigamente, o estômago dói e tudo parece “cair mal”… (afinal, o nosso sistema digestivo é o “segundo cérebro” e acaba demonstrando algum sinal de emoções disfuncionais);
  6. Dores de cabeça frequentes (e normalmente leves, que você relaciona com o que comeu, o sono que não dormiu ou o óculos que está fraco… mas ela sempre volta…)
  7. Reclamações exageradas e vontade de chorar por coisas que antes não te incomodavam… ou mesmo chorar sem razão aparente…
  8. A mente voa e é difícil ter foco… estudar, aprender fica cada vez mais difícil… prestar atenção em aulas e palestras é quase impossível – e até mesmo ouvir conversas mais longas das outras pessoas… aliás, prestar atenção nos outros é algo que vai sendo cada vez mais desafiador…
  9. o copo está sempre meio vazio e é difícil enxergar o lado bom das coisas… a ponto de nem tentar resolver os problemas, pois acredita que a vida é assim mesmo e nada vai mudar…
  10. Pessoas também não vão mudar então por que discutir? Não discute, não se defende e pode começar a ser permissivo com comportamentos abusivos de outras pessoas (especial atenção no trabalho)…

 

O que pode ser feito então para resolver isso?

O primeiro ponto é se auto-observar. Entender o que está acontecendo, tomar consciência e ESCOLHER agir.

E a melhor forma de se defender do esgotamento é o autoconhecimento.

As três primeiras dicas são então relacionadas a isso: conheça quem você é, saiba onde quer chegar e o que te move. Assim fica mais fácil…

  1. Dizer não para aquilo que não faz sentido pra você (assim, sobra mais tempo e energia para dizer sim somente para o que é realmente importante…)
  2. Fazer somente aquilo que vai te levar para a sua meta;
  3. Conhecer seus limites e potencialidades – se você é ruim em matemática e ótimo em português (por exemplo), pare de perder tempo tentando ser ótimo na matemática – seja bom o suficiente  e foque sua energia naquilo que já é o seu dom natural. Só teremos chance de ser extraordinários naquilo que já é a nossa zona de genialidade!

As 7 próximas dicas foram retiradas do livro “o jeito Harvard de ser feliz” e são:

  • Coloque pílulas de felicidade no seu dia:
    • Coisas simples como ouvir sua música favorita, apreciar o pôr do sol, colocar uma foto do seu filho ou do seu cachorrinho na sua mesa de trabalho… já são suficientes para aumentar o seu nível de felicidade diário;
  • Ponto de apoio: conte com sua rede de contatos, seus amigos e família!
    • Não se afaste deles, ao contrário! A ciência comprova que quem tem amigos próximos é mais feliz!
  • Coloque seu foco na metade cheia do copo.
    • Quando nos acostumamos a olhar o lado bom das coisas e sermos gratos pelo que temos, nossa felicidade interna aumenta!
  • Encontre oportunidade nas adversidades.
    • Se considerarmos os obstáculos como oportunidades de melhoria, além de sofrermos menos, fortalecemos nossa criatividade e capacidade de lidar com conflitos e chegamos muito mais longe!
  • Concentre-se em uma coisa de cada vez.
    • Transforme uma grande tarefa em várias pequenas, um grande problema em vários pequenos e faça um pouquinho por vez. Isso reduz a carga de ansiedade com o que precisamos fazer e aumenta a sensação de sucesso!
  • Use o “default” e a “inércia” a seu favor.
    • Facilite o acesso as coisas que te fazem bem e dificulte o acesso àquelas que te fazem mal. Por exemplo, quando comprar frutas, já as deixe lavadas e cortadas na geladeira e guarde os bombons na prateleira mais alta, de forma a precisar de escada pra pegar. Ou por exemplo, facilitando o acesso ao seu email ou arquivo de livros e dificultando o acesso as redes sociais (tendo que fazer login cada vez que for acessar). Veja sua produtividade e sua saúde melhorarem exponencialmente!
  • Invista nas pessoas.
    • Comece a dar bom dia para todos, prestar atenção ao que as pessoas estão falando. Marque aquele café que você vive adiando com seus amigos, passe a ir nos happy hour da empresa. crie vínculos. Um ambiente positivo ao nosso redor é uma fórmula certa pra felicidade!

Espero que com esse texto eu te ajude um pouco a perceber o começo do processo de esgotamento e te inspire a cuidar um pouco mais de si mesmo. Porém, se você sentir que não dá conta sozinho, não pense duas vezes: procure ajuda profissional.
A saúde emocional é coisa muito séria e deve ser tratada com respeito!

 

Um forte abraço a todos!

2 Comentários

  1. Marilena disse:

    Adorei o post! O assunto é serio porque muitas vezes não percebemos que temos esse esgotamento emocional…
    E gostei muito das possíveis soluções e das ótimas ” pílulas ” de felicidade. Muito útil esse tema e deve ajudar bastante a todos que lerem. Bjs M

  2. Armando Ferreira disse:

    Percepção, reflexão e julgamento, somos seres humanos iguais, a única diferença é a capacidade de reverter o errado pelo q é certo pra vc e para os outros!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *