“Disruptores endócrinos” (endocrine disruptors): fuja deles!

Sobre a glândula Adrenal e os hormônios esteróides…
2 de maio de 2016
Vamos tomar chá? (tudo sobre chás: da cozinha à farmácia!)
16 de maio de 2016

Muito se tem falado nos últimos congressos de Endocrinologia e também nas publicações acadêmicas sobre os efeitos dos DISRUPTORES ENDÓCRINOS no organismo. Estes são substâncias presentes nos agrotóxicos/pesticidas (Phtalatos) e em químicos utilizados na indústria, como TOLUENOS e BPA (Bisfenol A), aos quais somos expostos muitas vezes sem saber.


Tudo começou quando, há algum tempo, pesquisadores perceberam que, num rio que recebia os dejetos de uma indústria, o número de peixes fêmeas era bem maior do que o de peixes machos.  Isso estava gerando um impacto ambiental enorme e ao tentarem identificar o motivo, perceberam que, dentre os dejetos da indústria, estavam substâncias que tinham efeitos semelhantes ao hormônio feminino (estrógenos) e por isso, afetavam a formação dos órgãos sexuais dos peixes, levando a um aumento do número de fêmeas em relação ao de machos.



Esta descoberta serviu de alarme e, depois disso, muito se tem pesquisado sobre o impacto ambiental de certas substâncias não apenas na natureza mas também na nossa saúde.  O excesso de químicos no meio ambiente, além dos conhecidos efeitos sobre órgãos como fígado e cérebro, podem atrapalhar o funcionamento de glândulas endócrinas como tireóide, ovário (ciclo menstrual) e testículo (fertilidade) e estão ligadas ao surgimento do câncer.


Para se ter uma idéia do impacto, um grupo de pesquisadores da Dinamarca percebeu que o número de gestações assistidas (como por exemplo a inseminação artificial e a necessidade de outros procedimentos de fertilização) estava aumentando ao longo das décadas.  E o número de bebês nascidos com testículo não descido (criptorquidia) e com o canal da uretra aberto (hipospádia) estava aumentando.  Eles fizeram vários estudos para tentar entender o porquê desta tendência.  Um deles foi a análise do banco de dados de um laboratório durante vários anos… Descobriram que o número médio total de espermatozóides de um homem saudável estava caindo ano após ano e, consequentemente, a necessidade de fertilização artificial estava aumentando.  Também perceberam que o número de casos de câncer de testículo estava subindo. E o começo dessas mudanças coincide com a industrialização do país e a exposição a certos agentes químicos semelhantes ao hormônio feminino (estrógenos), chamados DISRUPTORES ENDÓCRINOS (Skakkebaek NE et al, 2001).


Se em adultos temos tantas consequências para a saúde, em crianças e gestantes, este impacto é ainda maior.  Por isso, em 2012, uma iniciativa do WHO (World Health Organization), a organização mundial da saúde, levou à publicação de um consenso sobre o impacto destas substâncias na saúde e medidas que deveriam ser feitas para minimizar este impacto.

Para nos protegermos desta exposição, podemos adotar medidas simples, como por exemplo: 

  1. Prefira alimentos orgânicos (produzidos sem agrotóxicos);
  2. Fuja de corantes e conservantes principalmente nos alimentos, mas também em produtos de higiene e beleza;
  3. Tente criar o hábito de observar a embalagem de produtos de higiene pessoal e recipientes plásticos, onde se pode ver se os mesmos são produzidos sem TOLUENOS, PARABENOS, Di-butil Ftalato e BPA.
  4. Jamais aqueça alimentos em recipientes plásticos!!! Ao ser aquecido, o plástico libera as substâncias químicas e contamina o alimento…
  5. Caso você seja mulher e utilize uma pílula anticoncepcional cujo componente seja o ETINILESTRADIOL (estrógeno que não é metabolizado pelo corpo e sai intacto pela urina, indo para o meio ambiente) – tente mudar para uma que contenha o ESTRADIOL ou 17-beta ESTRADIOL (que são metabolizados e não se acumulam no ambiente) (Reis-Filho et al, 2006);
  6. Cuidado com o descarte de medicamentos vencidos ou não utilizados (fiz um post aqui no blog sobre isso – clique aqui)
  7. Regule seu carro para que o mesmo não elmine gases em excesso e não polua o ambiente;
  8. Estimule o consumo consciente e a produção sustentável de bens de consumo e alimentos – compre de quem é consciente!
  9. Faça pressão sobre a indústria – boicote os produtos que nos fazem mal!
  10. E, se você é cientista no Brasil, por favor, não desista: continue trabalhando para soluções economicamente e ecologicamente sustentáveis!

 

Alguns exemplos de produtos livres de Disruptores Endócrinos

 

 

Em um vídeo muito interessante, a cientista Annie Leonard, de uma forma muito didática, nos ensina o ciclo do consumo-lixo-químicos tóxicos e nos abre a mente sobre o nosso papel enquanto cidadãos.  Na verdade, este é o primeiro vídeo de um projeto maravilhoso chamado “A HISTÓRIA DAS COISAS” (The story of stuff). Vale MUITO a pena assistir:
 
 

 

 
Se você tem interesse em se aprofundar mais no assunto, clique nos links que foram colocados ao longo do texto.
 
Nossa saúde começa na lata de lixo.  Na escolha dos alimentos.  No nosso posicionamento enquanto consumidores e, principalmente, enquanto cidadãos.  Um mundo melhor depende de cada um de nós!
 
Um forte abraço a todos!

2 Comentários

  1. Anônimo disse:

    Muito bons os esclarecimentos! Um alerta para todos nós para observarmos alimentos e tudo o que consumimos. Adorei! Bjs M

  2. Anônimo disse:

    E o vídeo é excelente! Recomendo também. Bjs M

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *