Sobre Cálcio e Vitamina D (Parte II)

Sobre CÁLCIO e Vitamina D (Parte I)
14 de março de 2016
Sobre Cálcio e Vitamina D – Parte III (Alterações do cálcio e OSTEOPOROSE!)
28 de março de 2016

O cálcio e a Vitamina D são importantes nutrientes que regulam não só a saúde dos ossos, mas várias outras funções no organismo. Na primeira parte, falamos sobre o cálcio e esta segunda parte vai detalhar melhor as ações da vitamina D, com a participação especial do Dr. Carlos Reis (Dermatologista).

A vitamina D tem um papel importantíssimo na homeostase (bom funcionamento) do organismo, não somente pela sua ação de aumentar a absorção do cálcio dos alimentos e diminuir a perda de cálcio pelos rins, mas também através de outras funções que têm sido demonstradas.



Um fato curioso é que a vitamina D é assim chamada pois sempre foi considerada um nutriente e pode ser adquirida através da alimentação. Até que se descobriu que o organismo também é capaz de produzir vitamina D através da pele e da exposição solar.  Por isso, apesar de ser chamada de “vitamina”, exerce efeitos no organismo de forma semelhante a um hormônio, fazendo dela uma substância que participa, em conjunto com o PTH (hormônio da paratireoide), da regulação dos níveis de cálcio do sangue.

Apesar de poder ser adquirida ou produzida pelo corpo, a Vitamina D é um “óleo” (sua estrutura básica é derivada do colesterol) e necessita que o fígado faça uma modificação em sua estrutura para conseguir ser armazenada no organismo (problemas de fígado podem afetar os níveis de vitamina D); após armazenada, para que possa exercer seus efeitos, necessita ainda que os rins “liguem seu interruptor”, transformando-a na forma ativa (problemas renais também podem causar alterações da vitamina D).

Isso demonstra que o ciclo da vitamina D dentro do corpo é complexo e dependente do funcionamento adequado de vários órgãos (intestino, pele, fígado, rins…). Recentes descobertas da medicina demonstram que, além da sua conhecida ação na regulação dos níveis de cálcio e fósforo, participa também na regulação da imunidade (sistema de defesa), no coração, no cérebro e até na secreção de outros hormônios como por exemplo a insulina.
As principais fontes alimentares de vitamina D são poucas, principalmente aquelas também ricas em colesterol e “gorduras boas”: ovos, peixes de água salgada
(salmão, sardinha, atum), fígado (e o famoso “óleo de fígado de bacalhau”) e cogumelos (especialmente o shitake). Por isso, a maior parte da nossa vitamina D é produzida na pele, através da exposição solar.



Conversei com o Dr. Carlos Reis, Dermatologista (CRM-RJ 52-76999-1), sobre a questão da exposição solar e a vitamina D:


1) Qual o tempo necessário de exposição solar para que a pele fabrique a vitamina D?

Dr. CarlosNão existe um tempo mínimo padrão para todas as pessoas. O tempo varia por condições próprias da pele como cor e idade (negros e idosos produzem menos vitamina D) e condições solares como estação do ano e localização (inverno e países temperados necessitam maior exposição solar).

2) Do ponto de vista da dermatologia e do risco de câncer de pele, é seguro tomar essa quantidade de sol todos os dias?  Ou vale mais a pena tomar a vitamina como suplemento? 


Dr. CarlosEstudos mostram que o uso intenso de fotoproteção pode causar redução dos níveis de vitamina D, mas NUNCA deficiência, mesmo em países temperados. A pele é  apenas um dos mecanismos para produção da vitamina D, que precisa passar pelo fígado e rim para ter sua produção finalizada. Dessa forma, devido a dificuldade em se definir um tempo seguro de exposição solar para todos e a alta incidência de câncer de pele no nosso país, a Sociedade Brasileira de Dermatologia não recomenda a exposição solar sem proteção com objetivo de produzir vitamina D. Os riscos não superam os benefícios. Pacientes devem ter sua vitamina D dosada e, em casos de carência, deve se realizar adequação nutricional ou  suplementação vitamínica.


Dr. Carlos, muito obrigada pela sua participação!
Sigam o nosso super-dermatologista no instagram: @drcarlosreis


Espero que tenham gostado do post!
A terceira parte é sobre os sintomas que podem apresentar os pacientes com carência (ou excesso) desses dois nutrientes!  Vejam na próxima semana!


Um grande abraço a todos!

Veja a primeira parte: clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *